Biologia para Todos

Porque a Biologia é vida…

Estrutura dos Testiculos e Espermatogénese

Posted by Francisco.e.Rute em 05/10/2009

Espermatogénese é, como o nome indica, o processo de formação dos espermatozóides. Tem início na puberdade, passando a ocorrer de um modo contínuo até ao fim da vida do homem.
A espermatogénese está ligada, como qualquer outro fenómeno metabólico, ao accionamento de hormonas, mediante o comando da hipófise e dos testículos.
A Espermatogénese ocorre a nível dos tubos seminíferos dos testículos e divide-se em quatro fases: Multiplicação, Crescimento, Maturação e Diferenciação.
No testículo, mais concretamente nos túbulos seminíferos, encontram-se espermatozóides agrupados. A partir da puberdade, existem as espermatogónias (células diplóides originadas a partir de mitoses sucessivas).

Os testículos são as gónadas sexuais masculinas, que se localizam por detrás do pénis e se encontram envolvidos numa bolsa, à qual se dá o nome de escroto.
A função dos testículos é a da produção das células responsáveis pela fecundação, os espermatozóides, além da produção de esperma os testículos são também os principais responsáveis pela produção de hormonas masculinas, de onde se destaca a testosterona. Estas controlam o desenvolvimento de algumas características do homem de onde se destacam, o crescimento dos pêlos, bem como a voz, barba, largura dos ossos ou o desenvolvimento muscular.

Células de Sertoli e Células de Leydig:
A célula de Sertoli é uma célula do interior do testículo. São células que apoiam a linhagem gamética nos dois sentidos: mecânico e nutricional. Sintetiza várias proteínas sob o estímulo de FSH e testosterona e sintetiza várias proteínas (transferrina e ceruloplasmina, dentre outras), que são transferidas da célula de Sertoli para as células do epitélio germinativo, tendo função no desenvolvimento e diferenciação destas últimas, entre outras funções.
As células de Leydig são células que se encontram entre os tubos seminíferos. Produzem testosterona, quando estimuladas pela hormona luteinizante (LH). Possuem um núcleo vesicular e arredondado e um citoplasma granular.

Constituição de um Testiculo<

A espermatogénese engloba então 4 diferentes fases:
1-Multiplicação – através de mitoses sucessivas, as espermatogónias dividem-se. De cada duas espermatogónias formada, uma divide-se novamente por mitose,
2-Crescimento – Dá-se a síntese de nutrientes e também a duplicação do material genético. Originam-se os Espermatócitos I.
3-Maturação – A fase de maturação do gameta masculino é na verdade um processo de meiose que ocorrerá com o espermatócito I, proveniente das espermatogônias. Ocorre na puberdade. Da primeira divisão resultam duas células haploides, os espermatócitos II, nas quais cada cormossoma tem dois cromatídio. Da segunda divisão da meiose formam-se quatro células haploides, os espermatídios, em que cada cromossoma tem um só cromatídio.
4-Diferenciação – Organização de todos os constituintes da célula. Ocorre a transformação de espermatídios em espermatozóides. Já na fase final da diferenciação, os espermatozóides são libertados na zona do lúmen dos túbulos seminíferos e vão para o epidídimos para terminarem a sua maturação. Posteriormente vão pelos canais deferentes até à vesícula seminal, formando o esperma, que será libertado quando ocorre uma ejaculação.

• Espermatogénese – processo de diferenciação das espermatogónias (2n) em espermatozóides (n).
• Espermeogénese – Passagem do espermatidio para espermatozóide.

Espermatogénese

Os espermatozóides, quando formados, são constituídos por três divisões: A cabeça, a peça intermediária e a cauda. A cabeça é então constituída pelo núcleo e o acrossoma, sendo a peça intermediária constituída por mitocôndrias visto que os espermatozóides percorrem grandes distâncias, precisando assim de muita energia.

Espermatozóide

Cabeça – local onde se localiza o núcleo, que retém os cromossomas. Possui na extremidade uma cápsula, o acrossoma, que contém enzimas hidrolíticas necessárias para a penetração no oócito.
Peça intermediaria – região entre a cabeça e a cauda. Numerosas mitocôndrias rodeiam os microtúbulos da base do flagelo e produzem o ATP necessário para o movimento do espermatozóide.
Cauda – extremidade alongada do espermatozóide com um flagelo cujo movimento contribui para a propulsão do espermatozóide.

About these ads

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

 
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: